Santa Catarina

Brazil



Address:
Avenida Universitária, 1105 - Bloco Z - Sala 01 - Bairro Universitário - Criciúma
Santa Catarina - Bra
Phone: (48) 3431-2555
Website: www.museudainfancia.unesc.net

Museu Da Infância

O Museu da Infância é um espaço de preservação, produção e circulação da produção científica e artístico-cultural para, sobre e da infância. Visa contribuir para ampliação de repertório artístico-cultural de crianças e adultos, na reformulação dos processos de formação de professores, nos projetos de ação pedagógica das escolas e demais instâncias culturais, dando subsídios para pesquisadores da infância e para políticas públicas de educação e de acesso à cultura.
Uma de nossas ações é a criação do Museu Virtual da Infância, inicialmente financiado pelo CNPq (Edital MCT/CNPq 50/2006, pesquisa realizada entre 7/2007 a 7/2009) para o desenvolvimento de banco de dados para arquivamento, pesquisa e acesso ao acervo do museu. Pretende-se, futuramente, que este banco de dados possa incluir outros objetos da, para e sobre a infância, abarcando coleções de outros museus e contribuições on-line.


Permanent Collection

Reúne produção científica e artístico-cultural de diferentes linguagens, como cinema e música, cujo foco central é a diversidade de olhares e enfoques sobre a criança e a infância.
No Projeto Museu Virtual da Infância, este acervo estará disponibilizado em banco de dados com mecanismo de busca. Neste banco, o interessado/pesquisador terá acesso à reprodução digital dos objetos do acervo e dados sobre sua autoria e produção, incluindo resenhas críticas de livros e filmes.
Congrega produção artístico-cultural destinada ao público infantil, como jogos, brinquedos, músicas, literatura, cinema, entre outros.

Um banco de dados com mecanismos de busca está sendo criado com o Projeto Museu Virtual da Infância a fim de favorecer, ao pesquisador ou interessado, o acesso às imagens dos objetos do acervo e, ainda, aos demais dados sobre eles a partir de categorias relacionadas ao tipo de objeto; sua história; autoria/produção. Neste item encontram-se também comentários de usuários sobre como fazer/como usar os objetos em questão.


Exhibitions

Acervo DA Infância

Composto de coleções de desenhos, pinturas, esculturas, partituras, trabalhos escolares e demais expressões da cultura da infância, entendida por Sarmento1 em sua dimensão relacional, configurada pelas interações entre crianças de diferentes idades, bem como entre crianças e adultos, exprimindo “a cultura societal em que se inserem”, na medida em que “veiculam formas especificamente infantis de inteligibilidade, representação e simbolização do mundo” (p. 22).

O Projeto Museu Virtual da Infância se propõe a disponibilizar um banco de dados com mecanismos de busca, através do qual o pesquisador/ou interessado poderá acessar as imagens dos objetos do acervo e, ainda, os demais dados sobre eles a partir de categorias relacionadas à autoria (tais como: gênero, idade, nível de escolaridade, entre outros); relacionadas ao contexto de execução do objeto (se realizado em espaços formais de educação, ou não-formais); à temática, e ainda à materialidade do objeto.

1 SARMENTO, Manuel Jacinto. As culturas da infância nas encruzilhadas da Segunda Modernidade, In ______; CERISARA, Ana Beatriz (orgs.). Crianças e Miúdos: Perspectivas Sociológicas da Infância e Educação. Lisboa: Asa Editores AS, 2004 (p. 9-34).


Previous Exhibitions

Qual: Culturas da infância: as crianças galibi-marworno
e seus brinquedos
Onde: campus da UNESC . Quando: 01/out a 30/nov/2007



Exposição de: brinquedos e fotografias das aldeias Kumarumã e Tukay, cedidos gentilmente por Camila Codonho durante o período da exposição.

As aldeias Kumarumã e Tukay (com cerca de 2000 e 90 habitantes, respectivamente) estão localizadas no estado do Amapá, nas proximidades da cidade de Oiapoque, do lado brasileiro e de Saint Georges, na Guiana Francesa. Foram produzidos por crianças e adolescentes Galibi-Marworno - tribo indígena falante do kheuol, uma língua que é uma mescla de línguas indígenas dos troncos tupi, aruak e karib com o patois francês - e coletados entre fevereiro e março de 2006, são parte da pesquisa de Mestrado de Camila Codonho, defendida em fevereiro de 2007 pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da UFSC, “Aprendendo entre pares: a transmissão horizontal de saberes entre as crianças indígenas Galibi-Marworno”.

Embora a investigação de Camila não estivesse focada na produção dos brinquedos, estes, juntamente com as brincadeiras, se mostraram valiosíssimos para o trabalho da pesquisadora, já que, relata ela, “auxiliaram a compreender um pouco mais o universo lúdico infantil, repleto de marcações sociais muito importantes, como com quem se deve brincar e com quem se deve brigar. O interessante é que, entre eles, com quem se briga na infância é com quem se poderá casar”. Na ocasião, para conseguir os brinquedos, Camila diz que realizou algumas barganhas com as crianças, como trocá-los por lápis de cor e anzóis. As peças expressam a realidade da r...+ [ Read all ]


Forthcoming exhibitions

Qual: Infâncias e culturas escolares
Onde: campus da UNESC/ Criciúma
Quando: 13 de fevereiro a 28 de abril de 2008

Exposição de: objetos escolares DA, PARA e SOBRE a criança (como livros, cadernos, mobiliário, uniforme, entre outros) e produções artísticas que abordam o tema "escola". A exposição contará com o acervo do Museu da Infância e com objetos emprestados por outras instituições e pessoas físicas.

Atividades: oficina de experimentos científicos e seções de filmes.

Evento paralelo: exposição on-line de máscaras feitas por crianças, de escola pública de Sanata Catarina, com base na cultura africana.

Evento aberto à comunidade e gratuito.

...........................................................................





Qual: Culturas infantis na Ibero-américa
Onde: campus da UNESC/ Criciúma
Quando: 5 de maio a 25 de agosto de 2008

Exposição de: bens culturais produzidos para criança com finalidade lúdica e didática. A exposição contará não apenas com o acervo do Museu da Infância, mas com objetos cedidos por instituições e habitantes de países ibero-americanos.

Evento paralelo: exposição on-line de fotografias de criaças em países ibero-americanos de autoria de Virgínia Yunes.

Evento aberto à comunidade e gratuito.

...........................................................................





Qual: Pipas, papagaios e pandorgas: nos vôos da imaginação
Onde: campus da UNESC/ Criciúma
Quando: 1 de setembro a 24 de novembro de 2008

Exposição de: pipas de diferentes tipos e produções culturais acerca desse tema.

Atividades: oficina de construção de pipas.

E...+ [ Read all ]










Museum internal and external photos (1)

Click on the images to enlarge



News and events

Jogo / brinquedo

Parece inegável hoje a importância do brincar para meninos e meninas de todas as idades, entretanto, brincadeiras não são atividades inatas da criança, mas ações sociais e culturais aprendidas nas relações inter-pessoais; supõem uma aprendizagem sociocultural. Há basicamente duas fontes que originam as brincadeiras das crianças: o adulto, que vai introduzindo comportamentos lúdicos na sua relação com elas; e as descobertas das próprias crianças e delas entre si. “É ela [a criança] quem comanda. Brinca-se ‘com ela’, ‘para ela’, para estimular sua capacidade inventiva, para dar-lhe novos instrumentos que serão usados quando brincar sozinha, para ensiná-la a brincar1 ”. Brincadeiras implicam em tomadas de decisão – pode-se saber quando vão começar, mas não quando terminarão. Dependem, basicamente, de um acordo de regras entre os participantes. São marcadamente espaços de criação, experimentação, inovação nos quais, a cada momento, as crianças descobrem suas competências e possibilidades. Em outras palavras, brincadeiras são configuradas nas associações entre a ação e a ficção; ou seja, são consubstanciadas nos diferentes “sentidos dados à ação lúdica2 ”; “um espaço à margem da vida comum, que obedece a regras criadas pela circunstância3 ”. Para Vygotsky (1984), “... o brincar e o brinquedo criam na criança uma nova forma de desejos. Ensinam-na a desejar, relacionando seus desejos a algo fictício, ao seu papel no jogo e suas regras4 ”. O autor russo afirma ainda que nas brincadeiras “a criança sempre se comporta além de seu comportamento habitual de sua idade, além de seu c...+ [ Read all ]