Lisboa

Portugal



Address:


Phone: 213620019
Fax: 213631987
Website: http://museu.marinha.pt

Museu Da Marinha

Foi o Rei D. Luís, o único monarca português que comandou navios, quem começou por escrever a história do Museu de Marinha. A 22 de Julho de 1863, decreta a constituição de uma colecção de testemunhos relacionados com a actividade marítima portuguesa. Este museu nasce da vontade manifestada por este monarca, de enorme sensibilidade artística e cultural, em conservar um passado histórico, tão presente, ainda, na memória colectiva nacional.

Mas o Museu também reflecte o louvável esforço de preservação, que se observou durante os séculos XVI e XVII. Foi o caso da Rainha D. Maria II, que em muito contribuiu para a constituição do núcleo de peças inicial deste museu, ao oferecer à Real Academia dos Guardas-Marinha - predecessora da Escola Naval - os modelos de navios existentes no Palácio da Ajuda.

Antiga Escola Naval

A Escola Naval, então situada nas instalações do Antigo Arsenal da Marinha, surge como o local possível para albergar este tesouro histórico que, entretanto, começou a ser alvo de um interessante trabalho de pesquisa e musealização, liderado pelo seu Director Comandante Joaquim Pedro Celestino Soares.

Entretanto, inúmeras diligências são efectuadas, desde a concentração e conservação da colecção junto da Biblioteca de Marinha, até à tentativa de criação e instalação de um Museu Nacional de Marinha, entregue à direcção da Liga Naval Portuguesa, em 1909. Tal instalação nunca chegou a efectuar-se.

Em 1916, um incêndio de grandes proporções, destrói grande parte da colecção entretanto reunida.

O Museu Naval Português ... [ Read all ]


Permanent Collection

Fragata "D. Fernando II e Glória" - conheça a sua história

A Fragata "D.Fernando II e Glória", o último grande navio à vela da Marinha Portuguesa e também a última "Nau" a fazer a chamada "Carreira da Índia" - verdadeira linha militar regular que, desde o século XVI e durante mais de 3 séculos, fez a ligação entre Portugal e aquela antiga colónia - foi o último grande navio que os estaleiros do antigo Arsenal Real de Marinha de Damão construíram para a nossa Marinha.

A Fragata recebeu o nome de "D. Fernando II e Glória" em homenagem a D. Fernando Saxe Coburgo Gota e a sua mulher, a Raínha D. Maria II, cujo nome era Maria da Glória.

O navio embora construído pelos planos duma fragata de 50 peças, foi de início preparado para receber 60 bocas de fogo, tendo em 1863 / 65 sido transformado para receber só 50, 22 no convés e 28 na bateria. A guarnição do navio variava consoante a missão a desempenhar, indo do mínimo de 145 homens na viagem inaugural ao máximo de 379 numa viagem de representação.

A Fragata tinha boas qualidades náuticas e de habitabilidade, designadamente no que se refere a desafogo das instalações, aspecto este de suma importância numa época em que ainda se faziam viagens de 3 meses, sem escala, com 650 pessoas a bordo, incluindo passageiros.

A viagem inaugural, de Goa para Lisboa, teve lugar em 1845, com largada em 2 de Fevereiro e chegada ao Tejo, em 4 de Julho. Desde então, foi utilizada em missões de vários tipos até Setembro de 1865, data em que substituiu a Nau Vasco da Gama, como Escola de Artilharia, tendo ainda, em 1878, efectuado uma viagem de instrução de Guarda-Marinhas aos Açores, que foi ...+ [ Read all ]






Opening hours

Horário atendimento: das 9h às 17h


Getting there

Edifício e área envolvente

O Museu de Marinha insere-se numa área de Lisboa profundamente ligada aos Descobrimentos: Belém. Nos nomes das ruas, nos edifícios e nos monumentos que encantam o olhar do visitante estão sempre presentes a navegação e a marinharia.

*
Belém e o Mosteiro dos Jerónimos
Santa Maria de Belém é uma das freguesias com maior número de edifícios classificados como monumentos nacionais, imóveis de interesse público e valores concelhios. Há, pois, muito a explorar pelo visitante.


Facilities

No âmbito da missão que lhe foi atribuída, o Museu de Marinha promove a divulgação do seu acervo tendo em atenção as necessidades especiais por parte dos seus visitantes.

Neste sentido, procuraram-se eliminar os eventuais obstáculos à livre circulação de visitantes com necessidades de locumoção especiais, através da instalação de rampas de acesso e de plataformas elevatórias, bem como a adaptação dos sanitários existentes.

Para o público invisual e amblíope, o Museu de Marinha disponibiliza um "Percurso Táctil" ao longo da sua exposição permanente.

Este projecto, que tem como embrião um primeiro conjunto de peças subordinado ao tema "A Salvaguarda da Vida Humana no Mar", disponibilizado em 1995, materializa agora a possibilidade de exploração táctil de 44 peças da nossa colecção, representativas de 6 áreas temáticas distintas.

Este trabalho didáctico e pedagógico, direccionado para visitantes com necessidades específicas, foi pioneiro no panorama nacional em 1995 - pelo carácter permanente do núcleo expositivo - e continua a sê-lo pela abrangência que agora assume.

O percurso é suportado por legendas em braille e por dois catálogos: versão braille e versão a negro para ambliopes.

Entrada na Exposição Permanente é gratuita para visitantes deficientes visuais, com redução de 50% do valor do ingresso para o/a acompanhante.
Serviços

*
Arquivo de Desenhos e Planos
O Gabinete de Imagem do Museu de Marinha dispõe de um Arquivo de Desenhos e Planos constituído por um numeroso acervo respeitante a navios portugueses antigos (militares, de comércio, pesca, ou outros) e ainda a numerosos t...+ [ Read all ]


Museum internal and external photos (5)

Click on the images to enlarge



News and events

Organismo Cultural da Marinha de Guerra Portuguesa, ao Museu de Marinha foi atribuída a missão de salvaguarda e divulgação do passado marítimo português, não se dedicando em exclusivo aos assuntos militares navais, mas sim a tudo o que se relaciona com os mais diversos aspectos e actividades humanas ligadas ao mar.

Desde a sua criação, este museu tem vindo a desenvolver um papel primordial de investigação, exposição e conservação, revelando uma enorme capacidade de adequação às necessidades geradas pela sociedade. Assim, se os primeiros diplomas lhe atribuíam uma função essencialmente expositiva e de conservação, de todos os objectos que documentassem o passado da marinha portuguesa e os serviços por ela prestados, a legislação actual reconhece outras dimensões.

Hoje, compete ao Museu: assegurar e gerir os processos de conservação e exposição de objectos de valor histórico, artístico e documental do património da Marinha (ou confiados à sua guarda); promover e desenvolver acções de investigação documental histórico-científica no domínio do museu e, ainda, desenvolver e divulgar um plano de actividades didáctico-culturais. Instituição aberta e amplamente ligada ao exterior, o Museu tem uma cooperação activa com museus congéneres e outras instituições, realizando exposições de carácter temporário, e outras actividades, em torno de temáticas relevantes.

É com base nestes princípios, que norteam a sua actuação ao nível dos seus departamentos, estruturas e serviços, que o valor e diversidade das colecções do Museu de Marinha tem vindo a ser reconhecido internacionalmente.

Entre os serviços prestados po...+ [ Read all ]




Education

Projectos Educativos

Numa tentativa de ir ao encontro das solicitações de muitos docentes e, simultaneamente, dinamizar uma área temática tendencialmente menos explorada pelas Escolas, a Extensão Educativa criou um novo projecto que decorreu numa fase experimental durante o ano lectivo 2002/2003, subordinado ao tema: Embarcações Tradicionais Portuguesas.

Destinado a escolas de Ensino Básico localizadas no litoral ou em regiões ribeirinhas, a proposta de um trabalho multidisciplinar, no âmbito da "Área de Projecto", conduziu cada Escola a eleger uma embarcação tradicional da sua região, a partir da qual se desenrolou todo um trabalho de pesquisa. Com a participação e interacção das diferentes áreas disciplinares, o estudo da embarcação e respectivo contexto histórico e cultural foi assumindo, ao longo do ano lectivo, novas dimensões e suscitando novas formas de expressão que ganharam forma numa pequena Mostra de trabalhos realizada no final de Junho, no Pavilhão das Galeotas do Museu.

Com um novo ano lectivo à porta, a Extensão Educativa promove a continuidade deste projecto e procura desenvolver paralelamente outras acções que visem dinamizar a relação do Museu com as Escolas. O site do Museu, agora renovado, será um dos caminhos que vamos explorar: fichas didácticas disponíveis para download, jogos, textos de apoio para professores, são apenas alguns exemplos das muitas ciber-propostas que a Extensão Educativa promete oferecer.


Groups

Materiais de Apoio à Visita

A Extensão Educativa coloca à disposição dos docentes um conjunto de materiais, disponíveis para download, que poderão ser úteis tanto na preparação das visitas de estudo, como no decurso das mesmas, ou ainda utilizáveis em actividades pós-visita, permitindo uma continuidade de trabalho na sala de aula e, simultaneamente, a avaliação do sucesso da visita relativamente aos objectivos inicialmente delineados.

*

Vamos ao Museu é uma ficha que os docentes podem integrar nas tarefas de preparação da visita de estudo. Para realizar na sala de aula ou em casa, esta Ficha permite uma introdução genérica ao Museu de Marinha e procura estimular o grupo a definir objectivos para a visita, tornando-o mais receptivo à exploração daquilo que vão procurar/encontrar.
*
Encontra-se já disponível uma nova Ficha dedicada aos Descobrimentos Portugueses (destinada ao 3º ciclo do Ensino Básico), com vista a uma maior actualização relativiamente aos conteúdos programáticos e às alterações entretanto efectuadas na Sala dos Descobrimentos.

*
Também destinadas ao 3º Ciclo, encontram-se disponíveis a ficha da Sala de Tráfego Fluvial e a ficha da Sala da Pesca Costeira que, apesar de se relacionaram de forma mais directa com as Escolas envolvidas no Projecto das Embarcações Tradicionais, podem também ser utilizadas por outros grupos que simplesmente pretendam efectuar a visita dando um enfoque especial a estas temáticas.

*
No Pavilhão das Galeotas, por entre embarcações tradicionais e de recreio, as famosas galeotas reais destacam-se pela sua beleza e de entre elas, a ...+ [ Read all ]


Membership

Quem é

O Grupo de Amigos do Museu de Marinha (GAMMA) é uma Associação educativa e cultural sem fins lucrativos, constituida por pessoas singulares e colectivas e com uma duração de tempo indeterminada. Tem a sua sede em Lisboa, mas pode estabelecer delegações em qualquer ponto do país ou do estrangeiro.


O que quer

Divulgar o Museu de Marinha de Portugal e contribuir para o seu enriquecimento e actualização


Como o faz

· Promovendo a realização de conferências e reuniões;
· Editando publicações;
· Obtendo doações ou depósitos de objectos que interessem ao Museu;
· Conseguindo reproduções de objectos e documentos relativos à História da Marinha, ou afins, existentes no país ou no estrangeiro;
· Procedendo a estudos sobre a História da Marinha e sobre a reconstituição dos diversos tipos de navios e instrumentos náuticos, utilizados pelos portugueses nas suas navegações;
· Criando centros de artes e ofícios, para restauro e fabrico de peças ligadas à Marinha;
· Tentando aumentar o número de sócios.

(adaptado dos Estatutos do GAMMA)

Como começou

Foi nos finais de 1954 que nasceu a Comissão Organizadora do Grupo de Amigos do Museu de Marinha, vindo este a ser oficialmente criado por despacho do então Ministro da Marinha em 14 de Janeiro de 1955. Desde sempre dedicado a um papel de anjo-da-guarda do património e da cultura naval portuguesa, o GAMMA contou com grandes nomes: Almirante Gago Coutinho, Contra-Almirante Alfredo Motta, Almirante Afonso Cerqueira, Comandantes António Esparteiro, Jayme Corrêa do Inso e Álvaro Gil Fortée, bem como o Comandante da Marinha Mercante Luís Armando de Loura e ...+ [ Read all ]